Um dia na vida de um GPM Portuguese translation jobs
Home More Articles Join as a Member! Post Your Job - Free! All Translation Agencies
Advertisements

Um dia na vida de um GPM


Become a member of TranslationDirectory.com at just $8 per month (paid per year)




English Version


Cassius Figueiredo photo Cassius Figueiredo, o último membro a entrar na equipe da Ccaps, conta sobre sua experiência na indústria de localização neste artigo em formato de entrevista.

CCAPS: Como você definiria o trabalho de um Gerente de Projetos Globais (GPM, Global Project Manager)? Do que ele difere do gerenciamento de projetos local?

CASSIUS: Um GPM trabalha no gerenciamento de projetos que envolvem centros de produção em diversos países. Uma das principais diferenças entre o trabalho do GPM e do LPM é que o GPM está em contato direto com o cliente final, sendo dele a responsabilidade de definir todos os procedimentos, de forma que as necessidades e expectativas do cliente sejam atendidas ao final do projeto. Além disso, ele também é o responsável por compartilhar a informação do projeto entre todas as partes interessadas, sendo o ponto focal da comunicação e garantindo a consistência das informações utilizadas por todos os idiomas.

CCAPS: O que está envolvido em um processo clássico de GPM e quais são as armadilhas que devem ser evitadas?

CASSIUS: Participar do gerenciamento de projetos globais envolve as diversas áreas de conhecimento do gerenciamento de projetos, iniciando pelo levantamento das necessidades do cliente e indo até o encerramento, passando pelo planejamento de tempo, custos, riscos, levantamento dos requisitos de qualidade, contratações e comunicação. Isso para cada um dos projetos que ele gerencia e lembrando que freqüentemente está gerenciando vários projetos ao mesmo tempo. Acredito que as principais armadilhas estão na comunicação e no contato direto com o cliente. Em um projeto deste tipo, existe um contato diário com pessoas com culturas muito diferentes da sua e isso requer um certo grau de adaptação por parte do gerente. No caso do contato com o cliente, além de uma eventual adaptação por motivos culturais, é necessária uma atenção toda especial, pois o gerente tem a responsabilidade de representar, e bem, a empresa onde trabalha. O que torna a comunicação e a organização também extremamente importantes é que qualquer erro cometido pelo GPM se espalha rapidamente pelos LPMs responsáveis pela produção, podendo acarretar muitas perdas financeiras e de tempo.

CCAPS: Sabemos que você começou a trabalhar com localização em 1994 mas gostaríamos que contasse um pouco mais sobre seu histórico como engenheiro e como ele influenciou sua capacidade gerencial.

CASSIUS: Iniciei meu trabalho na área de localização em 1994, na função conhecida na época como “Engenheiro de Software”. Hoje em dia esta função é conhecida como “Engenheiro de Localização”. Entre 1994 e 1998, trabalhei em vários projetos muito interessantes, tais como duas versões do Microsoft Office (95 e 97, sempre como engenheiro responsável pelo Word), Lotus Notes, Microsoft Encarta (isso mesmo, a enciclopédia da Microsoft), só para citar alguns. Nesta época, não existia ainda nenhuma das ferramentas de tradução existentes nos dias de hoje, sendo todo o processo de localização praticamente “artesanal”. Depois de passar pela gerência do Departamento de Engenharia, saí da Bowne Global Solutions (BGS) e trabalhei por dois anos no escritório da Biblioteca do Congresso, localizado no Consulado Geral Americano no Rio de Janeiro como responsável por toda a área de TI. Em 2000, voltei para a BGS como Gerente de projetos, onde fiquei até 2006. Após o processo de aquisição da BGS pela Lionbridge, nosso escritório do Rio de Janeiro foi fechado. Fui então convidado para vir trabalhar na Ccaps e aqui estou eu.

Toda a experiência que tive como Engenheiro ajuda muito no dia-a-dia do Gerenciamento de Projetos, pois facilita a identificação de riscos inerentes ao processo e também na comunicação mais efetiva com os clientes.

CCAPS: Como foi sua primeira experiência como GPM?

CASSIUS: Foi com projetos de menor porte na BGS. Basicamente, projetos de pequeno volume da Microsoft para idiomas tais como alemão, francês, espanhol, italiano, japonês, chinês simplificado e tradicional.

Um dia na vida de um GPMCCAPS: Nesta edição da Ccaps Newsletter, publicamos um artigo do André Barcaui, que acredita que o gerenciamento de projetos é feito de arte e disciplina. Você concorda com ele e, se a resposta for afirmativa, como aplica esse conceito ao seu cotidiano profissional?

CASSIUS:
Claro que concordo! Talvez o mais difícil seja identificar a correta proporção de arte e disciplina que deve ser aplicada a cada um dos projetos. O Gerenciamento de Projetos trabalha com pessoas e isso torna a atividade uma das mais desafiadoras do ponto de vista de crescimento pessoal e profissional. Além disso, um projeto é um esforço único, o que nos exige o máximo de criatividade e uso de técnicas apropriadas nas diversas fases do projeto. Isso me leva a concluir que um Gerente de Projetos tem que mesclar bem, entre outras, suas habilidades interpessoais (a ARTE), com o conhecimento das técnicas de gerenciamento de projetos (a DISCIPLINA).


CCAPS:
Como GPM, você interage com pessoas de todo o mundo, oriundas de diversas culturas. Consegue se lembrar de algum evento engraçado ou complicador resultante de barreiras lingüísticas ou culturais?

CASSIUS: Consigo lembrar principalmente de complicadores. Trabalhar com asiáticos, por exemplo, é sempre um grande desafio para nós ocidentais, exigindo um alto grau de adaptação. As diferenças culturais são enormes e a forma de lidar com os problemas é muito diferente da forma que usamos por aqui. Eu sempre evito mandar críticas sobre um trabalho eventualmente com problemas com várias pessoas na cópia, pois os asiáticos são muito sensíveis a críticas compartilhadas entre pessoas relativamente “desconhecidas”.

CCAPS: Cá entre nós, os clientes que conhecem bem localização são mais exigentes que aqueles que têm menos conhecimento do setor?

CASSIUS: Cá para nós... Cliente são sempre exigentes, conheçam ou não o que estão comprando. Cabe a nós definir limites do que é possível ou não fazer e chegar a um acordo quanto às expectativas. Talvez a grande diferença entre clientes que conhecem Localização e os que não conhecem seja o fato de que os primeiros geralmente nos trazem projetos mais realistas, a princípio. Clientes que não conhecem muito nossos processos normalmente nos trazem desafios virtualmente impossíveis, e cabe a nós moldá-los ou “educá-los” para algo mais realista fazendo uso de nossa experiência na área.

CCAPS: Alguma dica para os nossos leitores, entre os quais se encontram gerentes de projeto como você, e outros profissionais da área que desejam seguir essa carreira?

CASSIUS: Aprendam a lidar com as pessoas, pois elas são o maior ativo de um projeto. Depois estudem bastante e mantenham-se atualizados com as técnicas existentes, pois nunca se sabe em qual encrenca você se meterá no próximo projeto, por mais familiar que ele possa parecer (como disse acima, projetos são ÚNICOS, por definição). Gosto sempre de dizer, parafraseando o futebol, que Gerenciamento de Projetos não é jogo de futebol, mas é uma caixinha de surpresas.

CCAPS: Por fim, em apenas algumas palavras, como é o dia na vida de um GPM?

CASSIUS: Boa essa! O dia começa com muitos e-mails, quase todos eles com problemas a serem resolvidos. Quando você vai se aproximando do horário do almoço, provavelmente já resolveu metade dos problemas que existiam no início do seu dia e já acumulou outros tantos que chegaram durante o período da manhã. Mais perto do final do dia você já resolveu muitos problemas, porém ainda tem uma parte deles pendentes, problemas estes que você prontamente transfere para o dia seguinte, quando o processo se reinicia.

Brincadeiras ou verdades à parte, deixo para que o leitor use a imaginação — ou a experiência como Gerente de Projetos — e descubra se o cenário acima é possível ou não. Um dia na vida de um GPM (ou de um gerente de qualquer projeto) é um grande desafio, o que pode tornar a carreira apaixonante ou um fardo. Eu sempre digo que cheguei a Gerente de Projetos meio por acaso (como muitas pessoas), mas hoje adoro minha profissão e o que tenho aprendido com ela a cada dia não tem preço.

 

Cassius Figueiredo é Gerente de Projetos Sênior e está atuando no mercado de localização há 11 anos. Trabalhou também por dois anos no escritório da Biblioteca do Congresso norte-americano como responsável pela área de TI. Atualmente gerencia projetos globais e projetos locais na Ccaps.
Entre o trabalho diário e os estudos para a prova do PMI, Cassius às vezes fica até de madrugada brincando com seus dois pimpolhos até adormecerem.

 

This article was also published in Сcaps Newsletter (http://www.ccaps.net)









Submit your article!

Read more articles - free!

Read sense of life articles!

E-mail this article to your colleague!

Need more translation jobs? Click here!

Translation agencies are welcome to register here - Free!

Freelance translators are welcome to register here - Free!








Please see some ads as well as other content from TranslationDirectory.com:


Free Newsletter

Subscribe to our free newsletter to receive news from us:

 
Menu
Recommend This Article
Read More Articles
Search Article Index
Read Sense of Life Articles
Submit Your Article
Obtain Translation Jobs
Visit Language Job Board
Post Your Translation Job!
Register Translation Agency
Submit Your Resume
Find Freelance Translators
Buy Database of Translators
Buy Database of Agencies
Obtain Blacklisted Agencies
Advertise Here
Use Free Translators
Use Free Dictionaries
Use Free Glossaries
Use Free Software
Vote in Polls for Translators
Read Testimonials
Read More Testimonials
Read Even More Testimonials
Read Yet More Testimonials
And More Testimonials!
Admire God's Creations

christianity portal
translation jobs


 

 
Copyright © 2003-2020 by TranslationDirectory.com
Legal Disclaimer
Site Map